quinta-feira, 11 de agosto de 2016

O Radinho

“Ô, Alcides, abaixa esse rádio!” O comando irritado surpreendeu-o: “O que houve, Glorinha?”. “Houve que esse teu rádio já encheu!”. Como se não fosse resposta suficiente, indagou: “Encheu o quê, Glorinha?”. Ela estava para o crime, assim, sem motivo, de repente: “Teu rádio me aborrece, enche o saco e pronto!” A encrenca mais séria começou ali. Antes, havia as discussões normais de um casamento desgastado por largos anos, mas agora a implicância vinha carregada de ira, derramando mágoa, e representava uma escalada, uma subida de tom antes jamais alcançado, e Alcides, surpreendido, acusou o golpe. Baixou o volume do rádio, em seguida o desligou de raiva, engoliu a reação que queria explodir, ergueu-se da poltrona e saiu da sala. Fervia por dentro, e o cérebro começou a pensar no revide. Glorinha iria ter o que merecia pela desfeita que cometera.
          Demorou pouco. De noite, foi escovar os dentes, apanhou o tubo de creme dental, viu-o apertado no meio, do jeito que ele considerava errado. Glorinha nunca aprendera que correto seria apertar o tubo de baixo para cima. O defeito era pequeno, era antigo e até ali ele relevara, mas para Alcides, na secura por uma desforra, foi o bastante: “Porra, Glorinha, não aprendeu nem a apertar o tubo de pasta de dentes?”. Esse “nem” punha a ofensa nas alturas. Trocando em miúdos, era o mesmo que dizer que ela era uma besta pronta e acabada. Começou o bate-boca cada vez mais acalorado. Soltada a trava, os impropérios partiram de cá e de lá.
          O conflito conjugal se acentuou com o passar dos dias e meses. Glorinha e Alcides encarniçaram-se, enfiaram-se nas trincheiras e seguiram na troca de petardos de insultos e revolveram o passado em busca de munição. Os amigos intercederam. Não valia a pena, tantos anos de casamento e, de repente, o desentendimento, o amor virando aquela malquerença, intolerância beirando a ódio, no fim de tudo por besteiras, coisas sem importância, tinham de pensar no que já haviam vivido juntos, nos filhos, a família precisava ser preservada, mesmo que ao preço de algum sacrifício, alguma concessão de parte a parte, naquela altura seria idiotice jogar o casamento fora, e os argumentos se acumulavam, sugeriram até aconselhamento profissional. Ninguém podia entender que tudo começara com a implicância em cima de simples rádio, mania que Alcides cultivara desde o começo do casamento, e se perguntavam por que raios só agora, tanto tempo depois, aquilo virara detonador da beligerância.
          Com a continuação das escaramuças conjugais, ficou claro que as implicâncias com rádio e tubo de pasta dental haviam sido apenas sintomas do cansaço do amor, exaurido pelo cotidiano de classe média baixa, vivido sem maiores sofrimentos, mas com econômicas e modestas alegrias. Por fim, os amigos se convenceram de que era caso sem conserto. Os cristais haviam se partido. Glorinha e Alcides concordaram que a separação era a saída, discordaram com a repartição dos bens, e nem eram muitos, e acabaram em divórcio litigioso, que estraçalhou de vez a relação. Dividiram até os amigos, que acabaram tomando o partido de um ou de outro. Poucos os que lograram manter a neutralidade em meio à tormenta emocional.
          Cada qual foi para o seu lado, tomou sua estrada, tocaram a vida como podiam. Não se falaram por longo tempo. Ela, apesar de alguma idade, tentou outros relacionamentos, com algum desespero em encontrar novo companheiro para o resto dos dias, sofreu desenganos até concluir que a pressa do coração era má conselheira e prejudicava o discernimento. Era esperar e se conformar com a possibilidade de ficar sozinha. O destino tinha seus próprios caminhos e tempo e não adiantava querer atalhos. De seu lado, Alcides foi com menos ímpeto à luta. Aliás, para dizer a verdade, nem foi. Ficou nos avulsos.Tinha consciência de suas limitações até financeiras, já deixara longe o vigor da juventude e desconsiderou a possibilidade de nova união.
Assim o tempo correu, feridas sararam e mágoas se extinguiram. Do casamento com Glorinha, Alcides guardava boas lembranças, e até os episódios do rádio e da pasta dental lembrava como engraçados. Seria natural que ele e ela voltassem a conversar sem animosidade, sem ressentimentos, e resgatassem recordações agradáveis. Assim aconteceu. Não lograram colar os cacos, mas, um dia, encontraram-se num café, ela saboreava uma torta de morango, ele, de limão, como velhos amigos. Haviam tido uma vida até boa, pensando bem, e puxavam por recordações amenas. A surpresa foi quando Glorinha, olhando para a xícara de café com leite, disse com tímido sorriso, meio sem-jeito: “Engraçado, Alcides, sabe que de vez em quando me bate a saudade do teu radinho?”.


Agosto de 2016           

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentário do jurista Luiz Vitório Tavarnaro sobre " O Direito e a Maiêutica"

Enviado:  terça-feira, 21 de novembro de 2017 14:07:17 Para:   celsomacedo.portugal@hotmail. com Assunto: MAIÊUTICA - O autor, CELSO...