quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

POR MEUS PAIS

POR MEUS PAIS

Morte?

Medo, dúvida, alívio, felicidade.
Despedida e reencontro.
Raiz, tronco, folhas e sementes.
Morte?
Pedaços de nós que ficam e geram vida.
Tudo recomeça em traços de aparência deixados pelo sangue trocado no momento em que mais uma vida se inicia.
Como também trocamos nosso sangue pela vida eterna.
Tudo é amor. O que vai, o que fica.
O que vai deixa o vazio que só se preenche pelas lembranças e pela saudade do que foi e é bom.
O que fica herda a saudade e o vazio preenchido pelas lembranças do que foi e é bom.
Traços e trejeitos.  Gargalhadas e lágrimas.
Heranças inseparáveis daqueles que amam e são amados.


Tudo é amor.

Fim?
       Recomeço!
       Tudo novo.
       Tudo é amor.
       Vida nova.
       Nova vida.
       Vida plena.
       Amor pleno.
       Se justificar, não mais.
       Lamentar, talvez.
       Sofrer,...
       Amar, Sempre.
       Homenagens? Que tal... Testemunho, gratidão, exemplo.
       Tudo por amor.
       Tudo é amor.
       Tudo é vida.











Renato Barbosa dos Santos


Nenhum comentário:

Postar um comentário