domingo, 9 de abril de 2017

ACGB / VIDA URBANA - UMA BÊNÇÃO SOBRE CURITIBA por FRANCISCO SOUTO NETO para o PORTAL IZA ZILLI.

ACGB / VIDA URBANA - UMA BÊNÇÃO SOBRE CURITIBA por FRANCISCO SOUTO NETO para o PORTAL IZA ZILLI.

FOTO 1 – Francisco Souto Neto com pé fraturado numa calçada de Curitiba em 1983.

-----------------------o--------------------

PORTAL IZA ZILLI
- O maior portal de comunicação social do Paraná -

Iza Zilli

Comendador Francisco Souto Neto

ACGB – Uma bênção sobre Curitiba
Francisco Souto Neto

   Muitas vezes tenho feito denúncias sobre as lastimáveis calçadas esburacadas de Curitiba, que tantos tombos e fraturas provocam aos pobres transeuntes. Há apenas quatro meses, em dezembro de 2016, publiquei no Portal Iza Zilli e também neste meu blog, o artigo Nauseabundas Calçadas de Curitiba. Para ilustrar o texto, tirei cerca de oitenta fotografias dos pontos mais degradados em apenas três quarteirões da Av. João Gualberto, no sentido centro-bairro, da esquina da Rua Mauá até ao Mercadorama. Esse artigo poderá ser lido neste mesmo blog...


...ou diretamente no Portal Iza Zilli, no seguinte link:


   Gerações de prefeitos sucedem-se sem dar a devida importância à permanente degradação das calçadas e à acessibilidade. Eu mesmo já fraturei meu pé direito quando andava por uma rua central. Apressado, não vi um buraco na calçada. Uma dor lancinante seguida de um tombo, e a dificuldade para chegar em casa. Entrei no meu prédio andando “de quatro” pela calçada, pelohall, no elevador... E daí o socorro para a “odisseia” de ser transportado ao hospital. Tudo por um desleixo da prefeitura. Hoje, ao que me parece, já não se usa mais gesso, pois surgiram técnicas mais avançadas para os casos de fratura. Mas naquele tempo, imagine-se tomar banho sem poder molhar a perna? Eu resolvia o problema em banhos de imersão com a perna pendurada para fora da banheira. Tudo consequência do desleixo da prefeitura pelo espaço urbano.

FOTO 2 – Usando muleta, Francisco Souto Neto pega um livro de sua biblioteca.

FOTO 3 – Com o pé fraturado, lê enquanto sua mãe tricota.

   Enviei o artigo acima referido a meus confrades da Academia de Letras José de Alencar, dentre os quais o advogado Luiz Fernando de Queiroz. Eu sabia que Queiroz – que é especialista em Direito Imobiliário – e sua esposa são versados em calçadas e deterioração urbana. Entretanto eu desconhecia que em 18 de maio de 2000 Queiroz criara uma ONG, a ACGB/Vida Urbana – Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil, uma organização não governamental sem fins lucrativos que há 17 anos trabalha em prol da cidade, desenvolvendo ações planejadas que envolvem educação, sensibilização e mudança de hábitos com o objetivo de reduzir a degradação existente nesta capital e melhorar a qualidade de vida dos curitibanos.

FOTO 4 – O fôlder da ACGB.

   Queiroz imediatamente entrou em contato com sua coordenadora de projetos, Deisi Margarete Momm Fonseca, que direcionou calceteiros à Av. João Gualberto para iniciaram os serviços de correção e fechamento dos buracos das calçadas com petit-paver. Eu demorei um pouco para compreender como uma ONG teria assumido tarefas que, a meu ver, deveriam ser obrigação da Prefeitura Municipal. Afinal, a ACGB vai muito além de corrigir calçadas defeituosas e distribuir gratuitamente uma cartilha contendo orientações sobre como construir e manter calçadas, sempre de acordo com as normas técnicas da Prefeitura. Através da campanha Despiche Curitiba – ou Combate à Pichação – a ACGB já limpou cerva de 120.000 metros quadrados de paredes e muros, com a parceria da Cerro Azul Mexical, empresa que faz a doação de tinta à base de cal. Essa ONG também desenvolveu o projeto Zeladores Alpinistas, com profissionais que fazem gratuitamente a limpeza de edifícios que foram vítimas de pichações. Isso mesmo, por incrível que pareça, a ACGB faz esses trabalhos sem nada cobrar dos condomínios.

   Outra admirável frente de trabalho, denominada Projeto Poesia em Cores, promove a pintura artística nos muros despoluídos e a transcrição de versos poéticos. Para isso, a ACGB conta com artistas plásticos e o apoio da empresa Tintas Coral, que faz a doação das tintas empregadas na intervenção. As tarefas executadas pela ONG vão expressas no folheto abaixo:

FOTO 5 – As tarefas empreendidas pela ACGB com o propósito de reduzir o vandalismo e a degradação da cidade. A ONG mantém equipes permanentes que realizam manutenção de calçadas, limpeza e pintura de áreas pichadas, e também o plantio e poda de flores e gramas.

   Os recursos para essas magníficas intervenções que a ACGB realiza vem realizando, são oriundos de determinadas empresas que trabalham com condomínios, que são também garantidoras de um fundo social que mantém a instituição. É um trabalho que Luiz Fernando de Queiroz dedica a Curitiba ars gratia artis, isto é, como um mecenas que ajuda a manter a cidade limpa e transitável, sem nada pedir em troca. Estamos habituados a ver, como nos países europeus e nos Estados Unidos da América, cidadãos bem sucedidos que altruisticamente destinam parte de seus imensos lucros a instituições filantrópicas e de pesquisa científica, mas no Brasil isto é mais raro. O admirável exemplo de Queiroz é no sentido de melhorar Curitiba para os curitibanos.

FOTO 6 – Os calceteiros da ACGB em ação na Av. João Gualberto. Foto Souto Neto em 5 de abril de 2017.

FOTO 7 – Calceteiros na Av. João Gualberto, fotografados por Francisco Souto Neto em 5 de abril de 2017.

FOTO 8 – Souto Neto mostra em detalhe as insígnias da ACGB nas camisetas e bonés dos calceteiros.

FOTO 9 – De buraco em buraco, segue a ação saneadora da ACGB/Vida Urbana. Foto Souto Neto em 5 de abril de 2017.

       O trabalho dos calceteiros da ACGB começou na esquina da Av. João Gualberto com a Rua Mauá, onde se localiza o Tribunal de Justiça do Paraná. Levarão de um a dois meses para efetuar os reparos... sem nada cobrar, sem nada esperar como recompensa, exceto a satisfação dos pedestres que poderão caminhar com mais segurança pelo local. Um trabalho de utilidade pública que recebe a reverência de toda a comunidade curitibana.

        Luiz Fernando de Queiroz é o tipo do mecenas que merece o reconhecimento do município pelos serviços prestados. Oxalá algum vereador lembre-se de homenageá-lo com o título de Cidadão Benemérito da cidade de Curitiba.

    Abaixo, fotografias de antes e após os reparos efetuados pela ONG, que colhi no mural ACGB/Vida Urbana, no Facebook:


FOTO 10 – Parede de um colégio, antes...

FOTO 11 – ...e depois da intervenção da ACGB/Vida Urbana.


FOTO 12 – Paredes de outro colégio, antes da ação da ACGB/Vida Urbana...

FOTO 13 – ...e depois.

FOTO 14 – Antes...

FOTO 15 – ...e depois.

FOTO 16 – Rua XV de novembro antes...

FOTO 17 – ...e depois.

FOTO 18 – O Centro de Letras do Paraná, que durante muitos anos foi a sede da Academia de Letras José de Alencar, estava cheio de pichações.

FOTO 19 – Após a intervenção da ACGB, o Centro de Letras recuperado.

FOTO 20 – Muro central todo pichado...

FOTO 21 – ...e depois.

FOTO 22 – Inauguração da pintura com a presença do mecenas Luiz Fernando de Queiroz.


FOTO 23 – Edifício central todo pichado.

FOTO 24 – O início da limpeza e pintura efetuadas pelos “alpinistas urbanos” da ACGB.

FOTO 25 – E edifício após a intervenção da ACGB.

FOTO 26 – Esquina no centro de Curitiba antes...

FOTO 27 – ...e depois.

FOTO 28 – Artistas plásticos apoiando a ACGB: Adélia Maria Woellner, Geraldo Magela e Malú Prado.

FOTO 29 – Zelador de vizinhança da ACGB, Sr. Vilson, mantido pela Duplique Desembargador, realiza diariamente a manutenção da Rua Desembargador Westphalen e suas travessas.

FOTO 30 – Notícia em jornal, sobre a ACGB/Vida Urbana.

FOTO 31 – Muros do Asilo São Vicente de Paulo mantidos pela ACGB.

FOTO 32 – Colaboradores da ACGB/Vida Urbana ladeando Luiz Fernando de Queiroz.


-o-
Postado por Francisco Souto Neto às 14:42

Um comentário:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentário do jurista Luiz Vitório Tavarnaro sobre " O Direito e a Maiêutica"

Enviado:  terça-feira, 21 de novembro de 2017 14:07:17 Para:   celsomacedo.portugal@hotmail. com Assunto: MAIÊUTICA - O autor, CELSO...