quarta-feira, 23 de novembro de 2016

TPN

TPN
Cardosofilho
TPM – creio que todos sabem o que significa. Pois é: tensão pré-menstrual, distúrbio que acomete algumas, ou muitas, mulheres. Muito se fala e se escreve a respeito e o tema tem provocado boas piadas. Algumas padecentes confessam que a tensão as deixam coléricas, com instintos perigosos. Agora, novo tipo de tensão está sendo identificado – o TPN.
       O que vem a ser isto?
       Significa “tensão pré-Natal” e a cada ano parece atacar mais homens. É possível que também as mulheres estejam sujeitas a ela, mas, por enquanto, os sintomas têm sido observados em homens. Vou lhes narrar um exemplo. Ernesto (nome fictício para manter o anonimato) é pequeno comerciante de materiais elétricos. Sua empresa emprega seis trabalhadores (ou, como preferem os douradores de pílulas, colaboradores). Às portas de dezembro, vive o drama de enfrentar o período natalino com falta de dinheiro no caixa para dar conta do pagamento de salários, mais o décimo-terceiro e todos os pesados encargos trabalhistas decorrentes. As vendas se arrastam, deprimidas pela crise econômica que vive o Brasil, esta por culpa vocês bem sabem de quem. Encurralado, parece ter uma só saída: pedir dinheiro emprestado ao banco. Mas empréstimo bancário, no Brasil de hoje, é quase suicídio para o devedor. Os juros são de tal modo indecentes que quem toma dinheiro emprestado passa, na prática, a trabalhar para o banco. O problema agita e esquenta sua cabeça o dia todo e não o larga nem de noite. Vai para casa e continua a buscar saída, e a cabeça dói, toma analgésico, que, por sinal, vem tomando quase todos os dias, dorme mal, levanta-se de manhã já meio prostrado, sem ânimo e alimenta-se mal por falta de apetite. Cogita até vender um dos dois carros da família, solução temporária, acredita, que, contudo, gerará novos problemas, agora no âmbito doméstico. Além do mais, desfazer-se de um carro por necessidade é confissão pública de rebaixamento social e dará lenha ao fogo dos comentários de familiares, amigos, vizinhos e, principalmente, de um concunhado invejoso e maledicente, ao qual terá de enfrentar por ocasião das festas de fim de ano e suportar, se for o caso, seu sorrisinho sarcástico e cheio de contentamento.
       Tem mais. Comemorações de fim de ano significam outras despesas. Em sua pequena empresa, Ernesto oferece um churrasco, ou jantar, de confraternização reunindo empregados, esposas e filhos. Tornou-se tradição e todos esperam por isso. Mas uma festinha dessas sairá, no barato, por dois, três mil reais, e, na crise do momento, tal gasto representará mais um prego no caixão. A opção será chamar o pessoal, explicar a dificuldade, comunicar que, neste ano, a boca-livre está cancelada e, ao final da reunião, sob o silêncio da desolação, pedir que todos deem um sonoro e forte “viva!” à Dilma Rousseff e ao PT. Mas há os gastos inevitáveis. Não dá para convocar esposa e filhos e comunicar que o Natal de 2016 mixou. Como assim? – perguntariam, e Ernesto, humilhado, teria de confessar sua quase insolvência. Não, não, é demais para seu orgulho, e tome mais analgésicos, vamos às despesas e seja o que Deus quiser!
       Por essas atribulações, anda casmurro (homenagem a Machado de Assis), irritado, respondendo mal a qualquer indagação, grosseiro até, cabisbaixo, evitando contatos sociais, e nem quer trocar ideias sobre comemoração de Natal e Ano-Novo. Se pudesse, confessa, riscaria dezembro do calendário. E se lhe argumentam que Natal é a festa em homenagem ao nascimento do Menino Jesus, responde que para isso bastaria ir a um templo e rezar, além do que o Natal virou muito mais Papai Noel da Coca-Cola, consumo desbragado e, depois da ceia, farra da juventude em boate até o Sol raiar.
       Eis, amigos, em passada rápida, a descrição de um homem afetado pela TPN. Se encontrarem alguém com os sintomas, tenham compreensão. Pode ser depressão típica de dezembro.

Novembro de 2016.
      

           

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Soturnamente pensei

Soturnamente pensei Pensei, logo não existo Somos pequenos demais O que dizer? Sonhei, sonhei? Tive pesadelos Acordei Quando ...